Receba nossas novidades por EMAIL, é grátis !

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Dublagem: mal necessário?

Um assunto de grande interesse nos meios artísticos e para o público é o da dublagem. Eu, pessoalmente, não gosto de assistir a filmes ou qualquer coisa dublados, principalmente aqueles que imitam o ritmo da língua original, como a americana. Também acho que não se ouve outros ruídos, fica tudo muito surreal. Enfim, vamos ver a opinião de uma pessoa que faz dublagem, talvez eu mude de ideia. Será?




A repórter Mariana Valadares Zitto entrevistou a tradutora de textos para dublagem (audiovisual), Cristina Nastasi, para explicar como funciona a dublagem de filmes e seriados de TV, e saciar nossa curiosidade:

1. A área de tradução para dublagem de filmes é pouco conhecida pelo público. Sabe-se que em dublagem os diálogos originais são substituídos por gravações traduzidas em outra língua, procurando respeitar os movimentos labiais, a duração, a entonação das falas. Como é feito esse trabalho?
A dublagem é uma mistura de arte e técnica. É arte porque o dublador é um ator, tem de ser ator, e interpreta apenas com a voz, o que me parece terrivelmente frustrante, pois a maioria, por não ter seu rosto conhecido, não recebe o devido aplauso por seu talento. É técnica, porque o dublador, além da formação artística, precisa saber com perfeição “correr atrás dos lábios de outra pessoa”, isto é, passar a emoção com sincronia, fazendo com que as palavras em português caibam direitinho em lábios que falam inglês ou outro idioma. É preciso ter um timing perfeito, e também é preciso ter um diretor que saiba trabalhar esses dois lados, o artístico, e a técnica de fazer a fala não ficar mais curta ou longa demais na boca do ator na tela.(...)
 É importante observar que o dublador não tem muito tempo para captar a emoção ou intenção de uma fala. Os bons dubladores geralmente ouvem a fala original uma, duas vezes e, logo em seguida, falam o texto traduzido de tacada, de uma vez, como se fossem verdadeiros “repentistas da interpretação”, como eu costumo chamá-los. No estúdio ficam apenas o dublador (que pode fazer a cena junto com outros colegas ou apenas sozinho, pois a equipe técnica cuida da montagem dos diálogos feitos separadamente), o diretor, uma bancada em que fica o texto traduzido, e o monitor de TV para que possa ver as cenas, geralmente fora de ordem, e assim reproduzi-las em português com perfeição quase instantânea. O Marcos Simões, por exemplo, tem um ritmo impressionante; além da versatilidade vocal e talento artístico, pega a personagem com uma rapidez assustadora (ele fez, por exemplo, o Gênio do desenho Alladim e dublar Robin Williams, cá pra nós, não é pra qualquer um). As pessoas de um modo geral não têm a menor noção de como essa mágica acontece no estúdio. Sempre que explico essas coisas a pessoas que ignoram como tudo é feito ou têm preconceito a respeito, elas acabam ficando fascinadas.
Costumo dizer que a boa dublagem é a aquela que não é comentada, pois o que as pessoas gostam de fazer é criticar quando o trabalho está ruim. Há, inclusive, uma má vontade por parte da imprensa de um modo geral que adora atacar a dublagem brasileira, que - pouca gente sabe - é considerada uma das melhores do mundo. Há dublagens que simplesmente fazem o original ficar muito melhor, como “A Gata e o Rato”, “Primo Cruzado, “Alf, o ETeimoso” e “Família Dinossauro”.
Há também traduções e dublagens atuais sensacionais como “Tal mãe, tal filha” (“Gilmore Girls”) e “Eu, a patroa e as crianças” (“My wife and kids”). Para piorar as coisas, a geração da TV a cabo desvaloriza totalmente esta arte e diz que legenda é melhor. Tudo bem, pelo preço que pagamos pela assinatura, o certo seria termos direito a filmes, séries e documentários tanto legendados como dublados, enfim, opções para todos. Uma parcela mínima de pessoas que sabem inglês (ou pensam que sabem, o que é mais comum) ignora que, além da existência dos cegos, dos idosos que não enxergam muito bem, das crianças que ainda não aprenderam a ler, do cidadão analfabeto pleno, a maior parte da população brasileira é de analfabetos funcionais, isto é, foram à escola, aprenderam a ler, mas não conseguem ler direito, muito menos legendas que ficam tão pouco tempo na tela. No fim das contas, a dublagem é marginalizada, incompreendida e desmerecida. Sequer tem um história registrada, o que faz com que muito de sua memória esteja condenada ao esquecimento. As redublagens, por exemplo, apagam o registro histórico do trabalho de profissionais do passado, e até fico incomodada que a categoria não perceba isso e faça alguma coisa para reverter esta situação. Felizmente estão sendo lançados boxes de DVDs com dublagens originais, o que garante que o talento de dubladores como os falecidos André Filho (ele fazia de tudo, do galã de “Casal 20” ao sotaque delicioso de um Sean Connery) ou Marcos Miranda (Clark Gable) seja preservado para a posteridade.


Assistam uma hilariante dublagem a seguir: 


0 comentários:

Postar um comentário

Comentários Sobre as matérias !

 

†Shinobi Wars† © 2008 . Design By: SkinCorner